terça-feira, 1 de março de 2011

Elas

A Mulher.... Nada mais real, mais lúcido, mais cândido...
A Mulher é a criação dos seres em exponencial, a forma sã do pensamento.
Pois, agradá-la não basta se fazer homem e sim ser homem.
Dizem que a beleza do sexo frágil é ser frágil, todavia o frágil se tornou subliminar nos dias de hoje!
Tão subliminar e cada vez mais sublime!
Viver a Mulher não é fácil. É uma batalha a cada dia, a cada lágrima, um mundo outonal e diferente.
Se fazer Mulher, é claro, além de tudo uma honra para nós homens tê-las ao redor do nosso infinito.
Que por mais machista, sempre tem sua feminilidade.
Uma Mulher, um amor, um beijo, uma solidão.
Todos nós percorremos suas correntes e desembocamos em suas mãos. Plenas mãos!
Viva a Mulher presente, a Mulher infâme, a devaneia... Trate-as como a lua, aberta no horizonte...
Mulher de dia ou de noite, sempre parceira, sempre lúcida louca, sempre Mulher!
E por que o maiúsculo em "Mulher"? Porque Mulher é Mulher! Não é apenas um substantivo e sim um significado.
Basta qualquer adjetivo, basta ser Mulher!

Reflexo do Íntimo

Andanças, bailes, choros, sonhos... A rigor, uma vida cheia de graça!
Qual a graça? A graça, de ter uma vida!
Dizemos que todos sonhamos, mas o sonho somos nós, é a materialização do surreal.
Bebemos as águas e soltamos mazélas em formas de palavras.
Quem diria! Pessoas vivas e vivendo num vácuo mental.
De obras não feitas, de passados mal acabados, de presentes obscuros e com um futuro bem visto.
Mas continuamos, sendo carregados para um lugar límpido como o céu ou podre como a terra.
Nos pregam peças e nós pregamos mais peças ainda. Como uma lágrima mal escorrida ou um "eu te amo" banal.
Ventos passam... Agente fica na memória da existência e só! Apenas só, porque tudo é só, nada são ambos...
Destinos cruzam, a mente é aberta e o fim é próximo!
Vem vida! Vem ver o presente que vou lher dar!
Uma rosa para te agradar e um guarda-chuva pra não se molhar!