quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Carinho


Acontece que tudo derrepente tem mais vida
Que as vezes vemos mais que aparência
Acontece que as vezes a tristeza da adeus, e deixa flores
Com ramos exatos à suas mãos
Acontece que os olhos se alinham, numa certeza inerte
Que as salivas unem o presente passando...
Acontece que não podemos dar mais, do que estamos acostumados a dar
Acontece que os pássaros voam, voam, voam...
Acontece que as estrelas já voaram
Acontece que precisamos de mãos amenas nos calafrios diários
Acontece que contamos as idades com o coração e não com os dedos
Acontece que a felicidade abre a porta mais de uma vez, mas nem sempre nos leva com ela
Acontece que a chuva que molha, não é a mesma que rega
O que brota hoje, inunda o amanhã conforme os sentimentos
Acontece que vive-se o agora, da morte, só quem sabe é a vida.