segunda-feira, 2 de março de 2015

Felicidade é para Ser

Conte-me de palavra em palavra
o que já sentia
Toda frase que havia, logo após
um hiato de tempo se formava
caia-me sombras, as eternidades do mundo eram verdade
Meu mundo, tinha o que precisava ter
Olhos com que eu pudesse conversar
Mais nada era relevante
Ruiu-se às montanhas, fui encontrá-las
Caminho não se permitiu
Nem havia partido e eu já tinha chegado onde queria
Dentro da memória presente
Que é para ser o que há de ter
Caminho se constrói com estrelas.