terça-feira, 18 de agosto de 2015

Não tive coragem, não tive tempo nem espaço
Não abriu-se um céu diante de mim
Não recebi cartas, não escrevi cartas
Tudo que tenho vem das distâncias, aquela, sozinha, que você sente num quarto escuro, sem saber de nada
O que pressinto, é que não podemos ter nada a mais que o tamanho das mãos
Elas são feitas para dar e receber
Não podemos ter nada além deste tamanho
Porque será descartado como lixo, e o lixo acabará caindo sobre você.
Às vezes, sem ser, sem poder estar
Nós somos para alguém:
apenas um alivio de amor
uma conjunção de carinho
um olhar sem pressa
uma mão, um ninho
Podemos não pedir muito
Não sermos muito; para nós
Mas podemos, livremente
ser tudo o que outro precisa
Sendo apenas o que não somos
para nós
O nada, o cimento no peito, as angústias
são vãs
Se pudermos, simplesmente
soltarmos um pássaro preso

Não passaremos em vão.

Gente Sonhando

Quando pingo d'água toma forma
e a memória não refaz
Quando brota, da própria mão
outra mão
Sem dizer porque
Quando tarde, uma face branca, de nome sincero surge, e ela acalma
Quando a calma aparente, já revoa as nuvens e a vida
Quando a vida não faz sentido
e o sentido é para trás
Traz presente, vida
Quando não se forma, forma alguma de um pingo d'água
E o pingo ainda é vida
Agarra-se ao que tem, tem-se pouco
Mas necessita-se de pouco para viver
Basta um pingo d'água... E gente sonhando

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Dia Mundial do Recomeço

Ontem, todos os dias pareciam passados 
Chegada ao fim da linha
A noite que se arrastava com correntes, e essas correntes com barulhos que nos acordavam
e não nos deixavam ficar
Ontem, todo presente não restava
Só o amanhã, como uma faca, nos cortava em sete dias
Qualquer amor não resolvia
Não resolvia ter certezas, não resolvia não amar
Ontem, a estrada terminou,
e as horas de dormir ficaram acordadas
sem ter para onde olhar
Hoje tudo recomeça, se não havia esperança, os dias nos retornarão com esperanças
O ser humano é um ciclo de voltas, admiti-se qualquer sentimento, menos a volta dos sentimentos restantes.
Hoje o amor retorna, no fim do dia já estaremos melhores,
saberemos que o amanhã não nos terminará
E nossa coragem de ser vivo voltará a combater a terrível marca do tempo.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Ter caminhos

Como, às vezes, no escuro
O teto se torna chão
o chão um outro muro
Pulo o que resta,
me sobra ventos
Tenho distâncias, não sei diminuí-las
Sei aumentar meu coração para que ele chegue perto, escondido,
infinito
Até onde ele não precisa ter fim.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

O Homem e sua Procura

Abre-se um pequeno feixe, e a luz, concisa
entra e permanece na vista
"cego", o homem se levanta, tenta responder
e não querendo, responde:
apenas passos
vai até o espelho, à água, ao norte
bebe daquela água, escova seus espelhos; renasce
o homem é para o dia o que o nada é para vida; tudo
Continua às formas, às máscaras, às radiações
o homem se alimenta e finda a carne
bebe o leite que o servem, corta o pão como se cortasse estrelas
Ele continua a viver
Veste sua roupa, aquela que um dia se foi
Permanece nu por dentro,
a roupa que necessita, não se compra em qualquer esquina
Vai à rua, e escolhe alguém para o seu coração
Seu coração decide; e lá se vai para mais um perdão
Pois ele não carece de perda, nem de não
O que vale para ele, é apenas, mais um dia ao lado - d'um outro coração -.

Agora; para sempre

Sinto silêncio, aqui dentro
e sem forma, me desvendar
Encontrar seu silêncio, num par
e formar um par sem voz; olhares
É saber que todas as vozes não existem, e a sua, já se transformou em outra.


E a voz permanece sem calar. Te amo S2