domingo, 12 de junho de 2011

Lembranças

Tão alegre como um alvorecer
Se via um olhar ardente e descaído, assim derradeiro
Um amor como deve ser
Sempre presente, destúa-se dos demais
A calmaria em uma constante presença
Voava sobre as nuvens
A via como uma alma ímpar
Porém par com a minha
De mãos dadas com meus sentimentos
Caminhava sobre seus cílios
Escorregava em um infinito mel
Doce, suave como sua pele
Assim numa volúpia que abraçava até meus póros
Esse amor se destígue no olhar
Nem sob faces alheias se tornava curvo
Era como um dia com luar
Alegre, rico, louco
Simples, e fácil de explicar
Apenas num sorriso vazio e terno
E apaixonantemente por amar

Nenhum comentário: